Exposição de arte contemporânea no Solo Sagrado de Guarapiranga

Por Aline Pagliarini, MTB – 74428/SP | 3 de fevereiro de 2016

A equipe Cultura e Arte, da Fundação Mokiti Okada, promove a exposição Uni-diversidade_cidade, da artista Rita Heckert, no Centro Cultural, do Solo Sagrado de Guarapiranga, em São Paulo (SP).

Programação:

Data: de 27 de janeiro a 9 de abril
Dias para visitação: quarta a sexta-feira
Horário: das 8 às 15 horas
Local: Solo Sagrado de Guarapiranga – Estrada do Jaceguai, 6.567, Jardim Casa Grande, São Paulo (SP)
Observação: Para visita em grupos é necessário agendamento
Informações: 5970-1000 / 5087-5192

Sobre as pinturas de Rita Heckert:

Rita Heckert investiga a linguagem da pintura na prática, encontrando seus preceitos dentro das correntes construtivas da histórica que defendiam, em linhas gerais, a criação de uma arte objetiva, universal e não metafórica.

A pintura surge da experiência direta com a estrutura e com a cor, construindo forças que se dilatam e se contraem buscando constantemente equilibrar-se, em que a percepção não se detém particularmente em um ponto específico das estruturas criadas, mas percebe-se sua pulsação e continuidade para além dos limites definidos pela tela.

O que propõe a artista é algo mais intuitivo e empírico, construindo uma ordem de significações que inclui a subjetividade e a concretude, a partir de determinantes que dialogam, aspirando seu discurso poético que ocorre a partir do que está na coisa e não fora dela. A semelhança e a mudança que percebemos a cada trabalho remetem à diferença, que é a sua razão suficiente. Dela deriva a experiência do mesmo, da própria generalidade da representação.

Parafraseando Deleuze em “Diferença e repetição”, a repetição é análoga à diferença e, em sua natureza, há a diferença entre a repetição e a semelhança, em que percebemos qualidades nas semelhanças e, em suas equivalências, a quantidade. O ato de repetir é a construção de algo único ou singular, sem semelhantes, buscando liricamente o que é insubstituível.